18 de março de 2009

.

Hoje abri a gaveta dos sonhos. Guardo-os, à esquerda, ao fundo. Poiso-os sobre a madeira de câmbala amarela, antiga, que acolhe os meus mais recentes sonhos. E eles encostam-se uns aos outros, apertam-se entre si. Sabem-se parte de uma só história, a minha. São os do dia, e da noite!

Hoje abri a gaveta dos sonhos. Meti a mão. Encontrei o calor da tua. Que bom! Saudoso toque o teu. Sabes bem que és tu quem vagueia nas histórias que invento. Invento-as para mim. Por mim. Invento-me com a tua presença. Julgas-me?! Pensas que faço bluf... faço-o! Existe nos meus gestos uma metamorfose que faz as minhas mãos bailarem e que, no meu corpo, faz as asas caírem... e ainda assim voo! Voo na direcção que quero e sempre no sentido dos meus mais secretos desejos. Tu... sempre o foste! Nem me importa saber como... a partir de quando... quanto!
Os meus excessos são tão subtis quanto eu. Excedo-me no olhar, no ar que inspiro... suspiro!

Hoje abri a gavetas dos sonhos e senti o teu aroma emanar-se pelo quarto. Abri-a para guardar o desta noite, à esquerda, ao fundo. Mais um pouquinho de mim. Reconstruí-me de todos estes pedacinhos que invento, vivo, guardo. Sonhos que me aquecem o corpo. Sonhos que me fazem bater o coração e apressam a corrida sanguínea. Sonhos que me devolvem a mim.
É verdade que me maquilho. Alongo as pestanas e escureço os olhos. Com um toque de baton esboço um sorriso, aberto, doce. Sim! Faço-o para me embelezar nos sonhos. E faço-o porque é lá que estás.

Hoje abri a gavetas dos sonhos.
Sei que não me entendes... que não sabes do que falo, para quem falo! Sei que não me ouves... porque o que digo, não sendo falso, fica na profunda doçura de uma noite só minha. Sei que não sabes ler-me... porque o que escrevo, não sendo as mais belas palavras, é a mais absoluta divagação do eu. Se falo em cartas, quis dizer flores... se falo no futuro, relembro o passado. Divago... como eu divago!!! Não há quem o faça melhor que eu! E falo muito... sem falar demais! E aprendi a saber ouvir demasiado e a não esquecer nada do que é dito. Repito, palavra por palavra, aquilo que um dia ouvi dos teus lábios. Mas tenho a certeza que não sabes do que falo! Também sei que leio o que não escreves, mas isso faz parte dos meus sonhos!

Hoje abri a gaveta dos sonhos para, uma vez mais, guardar um pedacinho de nós. E, o melhor de tudo isto, é que me parece sempre que nada foi um sonho.


.
.

12 comentários:

mariam disse...

Azul,

. que doce é o teu 'divagar' .
. gostei tanto de ler-te'.!

. sei que não sei do que divagas, mas acho que sei .

deixo-te um raminho de frésias frescas e perfumadas, um abraço e o meu sorriso :)
mariam

Pedrasnuas disse...

Sabe bem abrir essas gavetas e inspirar de novo esses aromas que outrora ficaram retidos na nossa memória...

Beijos

Tchi disse...

Sonhos com(n)sentido(s).

Azul.mente.

A vida a respirar entre recordações.

Maria disse...

A nossa capacidade de sonhar é infinita...

Um beijo, em azul

c.ré disse...

fiquei a conhecer um pouco mais de ti.

Carla disse...

e nessa gaveta dos teus sonhos, soltam-se momentos que são só teus...vividos a dois.
e nessa gaveta dos sonhos guardas o passado e transforma-lo em futuro com palavras de flores
e nessa gaveta dos sonhos estás tu vestida de uma história que as tuas mãos conseguem transformar em esperança

ler-te é sempre um prazer
beijos

mfc disse...

E vestiste-te lindamente para este sonho!
Estavas linda... em Azul!
Sonha! Vive!... continua linda!

ADiniz disse...

Ah Azul!
Como é bom quando sabemos que temos nossas caixinha,sejam dos sonhos ou das doces lembranças ou das saudades, o melhor ainda é que podemos revira-las sempre que quisermos, é nossa. E tenho a minha.

O lugar aqui é interessante.Vou voltar,tá?
Bjs Ana

A.S. disse...

Eis um belo texto em tons de azul!

Há sempre dentro de nós um arquipélago de sonhos, esmagados pelo tempo e pela sorte... alguns são mesmo verdadeiros!


Um beijo...

•.¸¸.ஐBruneLLa França disse...

*_____________________________*
Essa gaveta que abriste é mágica... E mágicas foram tuas palavras ao descrevê-la!
Beijos e borboleteios

Bill Stein Husenbar disse...

Que neste Dia Mundial da Poesia os seus versos floresçam e brotem paa o mundo com uma mensagem de esperança e felicidade.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Violeta disse...

Em azul, o teu texto é lindo; a música, é a "minha música"; o texto poderia tê-lo escrito, proque me revejo em tudo o que aui escreves.
Hoje, escreveria assim, mas decidi guardar tudo na caixa e não voltar a fazê-lo. Sabes porquê?porque descobri que o outro,a quele com quem se sonha e se ouvem as palavras e se sentwem os aromas, "naõ está mais aí": Todos os meus sentimentos passarama ser vistos como rídiculos, doentios, possessivos...
O amor é o seu turbilhão de sentimentos só faz sentido quando vivido e sentido a dois...
Depois passa e outro apenas lamenta... a humanidade gosta de se lamentar pelo que fez e pelo que não fez...mas entretando segue asua vida feliz e contente...
Boa semana

Seguidores

Arquivo