23 de outubro de 2008


.
Um dia chego. Um dia parto. Um dia... deixo-te a falar sozinho. Quando o sangue ferve, os regressos são ultrapassados pelas partidas. Sinto-me constantemente a prepará-las. Parto sem destino, eu sei! Mas... que importa ficar? Numa dessas partidas hei-de ir dar a um areal. Nesse areal me espera um mar. Nele vou ficar. Os seus braços estão vivos para me agarrar. Sem me prenderem, vou ficar! Terei alguém para me salgar o olhar.


.




.

9 comentários:

NOCTURNO disse...

Quem te prender fica com uma imensa vontade de te dar sem receber.

Pois será o teu azul que pintará o céu.

Beijo nocturno

Maria disse...

Um dia chegaste, sem eu dar por isso.
Um dia partiste, sem eu te ter visto.
Foi nesse dia que me deixaste a falar sozinha. Trinta dias o sangue me ferveu. Esperando um regresso. E foi a partida. Dez dias o sangue me gelou. Procurei o mar. Mergulhei no mais profundo de ti, no imenso azul. Esperei pela maré de ir. Espero ainda. Não quero a maré de vir...

Um beijo, em azul

AnaMar disse...

Não preferes um olhar doce?

Bj

Violeta disse...

E o mar ficará mais azul...

Verónica disse...

Ás vezes é preciso deixar falar e já não ouvir nada .Partir,partir em busca de outro mar, de outra prisão.
Belo texto poético
Beijo

Apenas eu disse...

Serão as partidas e os regressos azuis?
O sangue ferve... a agua salgada acalma e o azul é o céu, o teu limite...

Beijos

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Seria uma sereia? Uma ninfa do mar?
Ah, sorte daquele que a tiver presa nos braços... Poderá dizer que abraçou o mar!
Beijos e borboleteios!

Vieira Calado disse...

Mar azul!
O céu em azul!

Beijoca

MPEREIRA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Seguidores

Arquivo